Últimas Notícias
Capa / Destaque / Cinco personalidades negras históricas ganharão estátuas em São Paulo, dentre elas a escritora sacramentana Carolina Maria de Jesus
Cinco personalidades negras históricas ganharão estátuas em São Paulo, dentre elas a escritora sacramentana Carolina Maria de Jesus

Cinco personalidades negras históricas ganharão estátuas em São Paulo, dentre elas a escritora sacramentana Carolina Maria de Jesus

A cidade de São Paulo informou na última terça-feira, 17, que instalará cinco novas estátuas em homenagem a personalidades negras que marcaram a história ou nasceram na Capital.

Os homenageados serão a escritora sacramentana Carolina Maria de Jesus, o músico Geraldo Filme, o atleta olímpico Adhemar Ferreira da Silva, a sambista Deolinda Madre (madrinha Eunice) e o cantor Itamar Assumpção.

Atualmente, há apenas seis estátuas em homenagem a pessoas negras, dentre os mais de 300 monumentos espalhados pela metrópole.

As obras devem começar em setembro deste ano e a previsão é que sejam instaladas em até seis meses. Até o momento, a Secretaria da Cultura do município não informou quem serão os autores das obras, nem como eles serão escolhidos.

As estátuas estarão dispostas nos seguintes locais:

Carolina Maria de Jesus é uma das escritoras mais lidas do país. Lançado em 1960, seu primeiro livro, “Quarto de Despejo”, foi um sucesso. A escritora vendeu cerca de 3 milhões de livros, em 16 idiomas. Ela viajou pelo país e atraiu multidões.

Carolina saiu de Sacramento, no interior de Minas Gerais, para tentar a vida em São Paulo, onde se instalou na favela do Canindé, na Zona Central. Ela saía todas as noites para trabalhar como catadora. Logo, o papel virou matéria-prima para relatar o cotidiano da favela em que morava.

Localização da estátua: Parque Linear Parelheiros, onde Carolina viveu por muitos anos, e onde estão o Centro de Cidadania da Mulher e o Ponto de Leitura Carolina de Jesus.

Geraldo Filme (1928 – 1995), é um dos bambas pioneiros do samba de São Paulo. Inconformado com a hegemonia do samba carioca na mídia nacional, Geraldo Filme lutou para inserir São Paulo no mapa do samba feito no Brasil ao lado de outros bambas conterrâneos como o mais lembrado Adoniran Barbosa. Artista de forte consciência social, o compositor deixou a assinatura firme em sambas como “A morte de Chico Preto” (1975), “Batuque de Pirapora” (1989), “Garoto de pobre” (1980), “São Paulo menino grande” (1968), “Silêncio no Bixiga” (1972) e “Vai cuidar de sua vida” (1980), entre outros.

Localização da estátua: Praça David Raw, na Barra Funda, próximo ao antigo Largo da Banana, muito frequentado por Geraldo e marca do samba paulistano.

Adhemar Ferreira da Silva Campeão olímpico no salto triplo em Helsinque 1952 e Melbourne 1956, ainda é o único atleta nacional a conquistar dois ouros consecutivos no principal evento esportivo do planeta. Está no Hall da Fama da World Athletics (Federação Internacional de Atletismo). É considerado por inúmeros atletas olímpicos brasileiros como o decano. 20 anos sem Adhemar, conquistas muito além do que imaginava o menino da infância de “terra pisada” – como gostava de falar – no bairro da Casa Verde, na zona norte paulistana. Da curiosidade em saber o que representava ser um atleta, Adhemar se atirou para o que se tornariam duas paixões: o atletismo e o São Paulo, clube que até hoje carrega duas estrelas no escudo em sua homenagem.

Localização da estátua: Canteiro central da Avenida Braz Leme (Casa Verde), no bairro onde o atleta sempre morou na Casa Verde e onde clubes de atletismo surgiram a partir do sucesso dele.

Deolinda Madre, conhecida como madrinha Eunice, fundou uma das primeiras escolas de samba de São Paulo, a Lavapés, na década de 30, no bairro do Glicério, no Centro. A escola já foi sete vezes campeã do Grupo Especial nos anos 1950 e 1960.

“Uma mulher que vem do interior de São Paulo, de Piracicaba, negra, e que em 1937, pleno Estado Novo de Getúlio Vargas, ela funda a escola de samba aqui nessa região”, conta o sociólogo T. Kaçula, em entrevista na baixada do Glicério.

Localização da estátua: Praça da Liberdade, local sugerido por familiares.

Itamar Assumpção é um dos principais nomes do movimento “Vanguarda Paulista”, ao lado de Arrigo Barnabé, Grupo Rumo e Premeditando o Breque (Premê). Nascido em Tietê, no interior de São Paulo, o cantor já teve músicas de sua autoria gravadas por Rita Lee, Cássia Eller, Tom Zé, Ney Matogrosso e Zélia Duncan.

Desde a sua morte, em 2003, a família do artista vem divulgando o legado musical do cantor, com lançamentos como o songbook “Livro de Canções e Histórias de Itamar – Porque que eu não pensei nisso antes”, que chegou ao mercado em 2006.

Localização da estátua: ainda está em definição, mas locais como a Casa de Cultura da Penha, onde Itamar gravou a trilogia Bicho de 7 cabeças, em 1993, e que também conta com um estúdio em sua homenagem e no bairro onde ele nasceu; e a Praça Benedito Calixto, importante espaço cultural da cidade próximo ao antigo teatro Lira Paulistana, já estão sendo considerados.

Comentários