sábado , 2 março 2024

SACRAMENTO UNIDO NO COMBATE À DENGUE!

Sacramento está em alerta geral com o aumento dos casos de dengue. A Secretaria de Saúde informa que o vírus da dengue está circulando em nosso município, até o momento já foram notificados mais de 500 casos suspeitos, e 43 pessoas POSITIVAS para a doença. A dengue é transmitida pela picada do mosquito Aedes Aegypthi, os sintomas mais comuns são: febre, dor no corpo, dor de cabeça, dor nas arƟculações, dor no fundo dos olhos, fraqueza, náuseas, vômitos.

Caso apresentar esses sintomas, procure sua Unidade de Saúde da Família. A melhor e mais eficaz forma de prevenção é evitar a proliferação do mosquito,

EVITANDO ÁGUA PARADA:

– Caixas d’água vedadas;

– Calhas totalmente limpas;

– Galões, tonéis, poços e tambores bem vedados;

– Pneus sem água e guardados em locais cobertos;

– Garrafas vazias e com a boca para baixo;

– Ralos limpos e com tela;

– Bandejas de geladeira sem água;

– Pratos de vaso de planta com areia até a borda;

– Piscinas e fontes sempre tratadas;

A responsabilidade é de todos nós! Tire 10 minutos do seu tempo e confira se o seu quintal está limpo e sem focos do mosquito. A dengue mata! A luta é de todos nós!

O MOSQUITO:

O Aedes aegypti é o mosquito transmissor da dengue e da febre amarela urbana. Originário da África, foi disseminado de forma passiva pelo homem, hoje é considerado um mosquito cosmopolita.

Menor que os mosquitos comuns, o Aedes aegypti é preto com riscos formando um pequeno desenho semelhante a uma taça no tórax e listras brancas na cabeça e nas pernas. Suas asas são translúcidas e o ruído que produzem é praticamente inaudível ao ser humano.

O macho, como os de qualquer espécie, alimenta-se exclusivamente de frutas. A fêmea, no entanto, necessita de sangue para o amadurecimento dos ovos que são depositados separadamente nas paredes internas de objetos, próximos a superfícies de água limpa,

local que lhes oferece melhores condições de sobrevivência. No momento da postura são brancos, mas logo se tornam negros e brilhantes.

Em média, cada A. aegypti vive em torno de 30 dias e a fêmea chega a colocar entre 150 e 200 ovos. Se forem postos por uma fêmea contaminada pelo vírus da dengue, ao completarem seu ciclo evolutivo, transmitirão a doença.

Os ovos não são postos na água, e sim milímetros acima de sua superfície, principalmente em recipientes artificiais. Quando chove, o nível da água sobe, entra em contato com os ovos que eclodem em pouco menos de 30 minutos. Em um período que varia entre sete e nove dias, a larva passa por quatro fases até dar origem a um novo mosquito: ovo, larva, pupa e adulto.

O A. aegypti põe seus ovos em recipientes artificiais, tais como latas e garrafas vazias, pneus, calhas, caixas d?água descobertas, pratos sob vasos de plantas ou qualquer outro objeto que possa armazenar água de chuva. O mosquito pode procurar ainda criadouros naturais, como bromélias, bambus e buracos em árvores.

A transmissão da dengue, bem como da febre amarela, depende da concentração do mosquito: quanto maior a quantidade, maior a transmissão. Esta concentração está diretamente relacionada à temperatura e pela presença das chuvas: mais chuvas, mais mosquitos.

Sobre Jornal É Notícia

O Jornal a serviço de Sacramento / WhatsApp: 34 9 8423-26 86

Um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *